PambazukaAtravés das vozes dos povos da África e do Sul global, Pambazuka Press e Pambazuka News disseminam análises e debates sobre a luta por liberdade e justiça.

Assine

Assinar gratuitamente!



Doações

Monitor da União Africana

Este site foi criado por Fahamu para fornecer um feedback freqüente às organizações da sociedade civil africana sobre o que está acontecendo na União Africana.

Taxas para vagas de publicidade no Pambazuka News

As taxas mostradas abaixo são para um anúncio de quatro semanas no ar

Banda A - Entidades de caridade, ONGS e Organizações sem-fins lucrativos com um movimento de caixa menor de $200,000: $50.00
Banda B - Entidades de caridade, ONGS e Organizações sem-fins lucrativos com um caixa entre $200,000 - $1,000,000: $150.00
Banda C - Entidades de caridade, ONGS e Organizações sem-fins lucrativos com um caixa maior que $1,000,000: $350.00
Banda D - Empresas do governo ou do setor privado: $500.00

Para postar um anúncio, mande um e-mail para: info [at] fahamu [dot] org.

Estamos dispostos dispensar das taxas as organizações sem-fins lucrativos da África com um orçamento limitado.

Pambazuka Press

Food Rebellions! Food Rebellions! Crisis and the hunger for justice Eric Holt-Giménez & Raj Patel.

Food Rebellions! takes a deep look at the world food crisis and its impact on the global South and under-served communities in the industrial North. While most governments and multilateral organisations offer short-term solutions based on proximate causes, authors Eric Holt-Giménez and Raj Patel unpack the planet's environmentally and economically vulnerable food systems to reveal the root causes of the crisis.

Visit Pambazuka Press

Faça Doação Para Ajudar Ao Pambazuka Continuar!

Ajude-nos a garantir que os assinntes do Pambazuka News o receba gratuitamente: cada $5.00 ajuda a garantir a assinatura por um ano. Por isso, doe generosamente para que o melhor newsletter africano para justiça social chegue onde ele é necessário.

Creative Commons License
© A menos que indicado, todo material está licenciado sob o título Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 3.0 Unported.

Artigos Principais

A recuperação de sementes é possível? Uma história vinda da aldeia de Kathulumbi, no Quênia

Anne Maina

2010-11-30, Edição 34

http://pambazuka.org/pt/category/features/69170

Bookmark and Share

Versão para imprimir

Os habitantes da aldeia de Kathulumbi, no Quénia, estão a construir um banco de sementes com vista ao fortalecimento da biodiversidade e do acesso a variedades de sementes não contaminadas. Produtos básicos tradicionais como a mandioca e o milho-miúdo têm vindo a ser substituídos por variedades de milho geneticamente modificadas e de preço mais acessível. Preservando as variedades de sementes tradicionais, os habitantes de Kathulumbi pretendem tornar as sementes mais baratas, mais sustentáveis e mais nutritivas do que as suas congéneres geneticamente modificadas.

À medida que o sol nasce nesta manhã de Fevereiro, a Mumo salta da cama para preparar a iguaria do pequeno-almoço da família, papa de milho-miúdo. Ela e a família gostam de comer papa ao pequeno-almoço porque os deixa satisfeitos e permite-lhe passar o dia sem almoçar. De vez em quando, comem-na com batata-doce ou mandioca mas é difícil apanhá-las por estes dias. O pão ficou muito caro e a Mumo diz que não consegue comprá-lo para o pequeno-almoço. Até mesmo o milho-miúdo tem de vir de longe, onde alguns agricultores ainda o cultivam e os preços são, por vezes, muito elevados.

A Mumo e as suas cinco crianças vivem na aldeia de Kathulumbi, a cerca de 100 km da cidade de Machakos, na Província Oriental do Quénia. Enviuvou recentemente e viu-se obrigada a mudar-se para junto da família, pois não conseguia pagar a renda em Machakos onde trabalhava como professora numa escola primária.

O DECLÍNIO DAS COLHEITAS TRADICIONIAS
A Mumo cultiva predominantemente milho no seu terreno de um quarto de acre. È esta a semente básica a partir da qual se prepara ugali ou sima, como alguns lhe chamam no Quénia. Ela diz que se lembra, quando era mais jovem, que as pessoas cultivavam e consumiam mais tubérculos e colheitas tradicionais como inhame, mandioca, milho e batatas-doces. Mas, aparentemente, a modernização mudou tudo. Será por isto que as pessoas já não são saudáveis e sofrem de inúmeras doenças? Até as crianças mais jovens sofrem de diabetes, agora.

Quando a “Senhora Mumo”, como os alunos lhe chamavam, se mudou para Kathulumbi, deparou-se com uma comunidade organizada num grupo que se auto intitulava Comité para o Desenvolvimento Comunitário do Banco de Sementes de Kathulumbi (Kathulumbi Seed Bank Community Development Committee). O responsável local, Maleve, incentivou-a a juntar-se ao grupo e a apoiar os esforços de desenvolvimento da comunidade.

PARCEIROS NA BIODIVERSIDADE
O Comitê para o Desenvolvimento Comunitário do Banco de Sementes de Kathulumbi trabalha a par com o INADES (Instituto Africano para o Desenvolvimento Económico e Social). O INADES é membro activo da Rede Africana para a Biodiversidade (ABN – African Biodiversity Network). A ABN consiste numa rede de organizações Africanas presentes em 12 países, cujo objectivo é reavivar de raiz a biodiversidade e o respectivo conhecimento, a par com as comunidades.

A actividade da ABN assenta no princípio de que o conhecimento ecológico tradicional detido pelas comunidades Africanas é a chave para assegurar a longo prazo a resistência das florestas e da segurança e dignidade alimentares do continente. A ABN apoia a Coligação para a Biodiversidade do Quénia (KBioC – Kenya Biodiversity Coalition), uma parceria entre mais de 65 organizações de agricultores, grupos de defesa animal, redes de consumidores, organizações religiosas e grupos comunitários. Os membros são partes interessadas e por isso empenham-se e trabalham nas áreas do ambiente, agricultura e biodiversidade.

AS SEMENTES DE MILHO MÁGICAS CAUSAM PROBLEMAS
Porquê um banco de sementes? A comunidade da região de Kathulumbi percebeu que a produção de alimentos desceu a par com a introdução de novas variedades de sementes vindas de empresas de Nairobi. Os membros mais velhos do grupo lembraram a altura em que funcionários bem vestidos de empresas multinacionais vieram à aldeia e introduziram a “semente de milho mágica”; dizia-se que produzia mais do que as variedades autóctones. A par com as “sementes de milho mágicas”, foram-lhes fornecidos fertilizantes e pesticidas.

Nas primeiras estações, as produções aumentaram o que incentivava mais pessoas a alocar mais terreno para a produção de milho. Mas, com o tempo, os terrenos requeriam mais fertilizantes e pesticidas para combater pragas como a broca do milho. O maior desafio apresentava-se caso ocorresse um atraso ou as chuvas fossem insuficientes, pois a colheita de milho morreria antes de atingir a maturidade. Antes disto, os agricultores costumavam armazenar as sementes para a próxima estação, mas com estas novas sementes precisavam de comprar outras mais nas lojas agro-veterinárias locais, caso contrário toda a produção ficaria comprometida.

O trabalhador local chamava estas sementes de “híbridas”. Chegou mesmo a falar-se de organismos geneticamente modificados (OMG). Com o apoio da KBioC, algumas das sementes vendidas nas lojas agro-veterinárias foram testadas, concluindo-se que estavam contaminadas com OMG. Para piorar a situação, a colheita de milho começou a desenvolver aflatoxinas que podem ser tóxicas quando ingeridas.

CONSTRUÇÃO DO BANCO DE SEMENTES
A comunidade estava a ter prejuízos. Os anciãos organizaram uma reunião de conselho extraordinária para discutir os desafios à segurança alimentar com que se deparavam. Discutiram e concluíram que o maior erro tinha sido esquecerem os alimentos indígenas e tradicionais. Há um ditado Swahili que diz “Usiache mbachao kwa msala upitao”, ou seja, “Não largues o que tens na mão por uma nuvem passageira”. Os anciãos decidiram dar o primeiro passo para reavivar e revitalizar as variedades de sementes locais que sempre resistiram aos testes do tempo.

O papel das mulheres na recuperação de variedades de sementes locais foi visto como fundamental para assegurar que a comunidade de Kathulumbi seria capaz de atingir a auto-suficiência alimentar. Às mulheres mais velhas competia a tarefa de transmitir esta capacidade às mulheres mais novas e profissionais como a Mumo. O sistema de armazenamento de sementes tradicional não se referia apenas à produção, mas sim a todos os aspectos culturais. A semente era escolhida para cerimónias especiais, como a produção de cerveja de milho-miúdo para casamentos. Sementes diferentes eram escolhidas para diferentes estações. Em tempos de pouca chuva, cultivava-se a semente mais resistente. As colheitas também eram variadas e não apenas de milho. Mandioca, inhame e milho-miúdo são algumas das colheitas resistentes que foram suplementadas.

A Mumo diz que estava feliz por se ter juntado à comunidade nos esforços para reavivar e recuperar as variedades tradicionais de sementes. Com o apoio do Projecto para a Gestão de Recursos de Terrenos Áridos (Arid Lands Resource Management Project), foi construído um banco de sementes e as pessoas foram incentivadas a armazenar e partilhar variedades que estavam praticamente extintas.

Hoje, os agricultores na comunidade não precisam de comprar sementes todas as estações, uma vez que as variedades locais podem ser escolhidas e cultivadas sem comprometer a sua produtividade. As crianças já não sofrem de subnutrição ou ausência de uma dieta equilibrada. Agora, comem refeições saudáveis.

O ano de 2010 tem registado chuvas suficientes e, ainda em Fevereiro, o governo Queniano aprovou a importação de cerca de 280 mil toneladas (3.2 milhões de sacos de 90 quilos cada) de uma mistura de milho geneticamente modificado. Isto verificou-se apesar da Acta para a Bio-Segurança Queniana de 2009, que ainda não teve efeitos através da publicação de regulamentação relevante.

A caminhada em direcção a sementes seguras em Kathulumbi ainda é longa e existem vários desafios, particularmente a contaminação de OGM. Os habitantes de Kathulumbi querem que aquela região seja diversificada quanto a sementes e livre de OGM e estão empenhados em que tal se verifique. São muitos desafios mas eles deram início a uma acção pioneira.


* Anne Maina está inserida na African Biodiversity Network.
**Artigo traduzido por voluntário do programa E-volunteers da UNU, do qual o Pambazuka/Fahamu fazem parte.
***Por favor, envie os seus comentários para [email protected] ou comente on-line em Pambazuka News.

↑ Voltar ao Topo

ISSN 1753-6839 Pambazuka News English Edition http://www.pambazuka.org/en/

ISSN 1753-6847 Pambazuka News en Français http://www.pambazuka.org/fr/

ISSN 1757-6504 Pambazuka News em Português http://www.pambazuka.org/pt/

© 2009 Fahamu - http://www.fahamu.org/